Bio

Alan Oju nasceu em 1985 em Santo André – SP.
Atualmente vive e trabalha na cidade de São Paulo – SP.

Natural do ABC paulista, estudou História na Fundação Santo André. Possui formação livre em fotografia. Trabalhou como arte-educador em diversos projetos entre os anos de 2010 e 2014. Desde então, optou por uma vida dupla entre trabalhar em equipes de fotografia no cinema, televisão e publicidade, e desenvolver suas pesquisas em artes. Em 2018, concluiu o mestrado em Poéticas Visuais sob orientação da Profa. Dra. Branca de Oliveira na ECA/USP.

Seus trabalhos têm como tema transversal as fricções que o “corpo da cidade” exerce sobre os corpos de seus habitantes e os processos de subjetivação subsequentes. Para isso, utiliza métodos cartográficos para produzir a partir da experiência urbana: intervenções, fotografias, vídeos, performances, objetos, pinturas e instalações.

Participou da Residência em Fotografia LABMIS no Museu da Imagem e do Som em 2013-14. Também em 2014 foi contemplado com uma Bolsa de Investigação Artística pelo Programa Mergulho Artístico da Oficina Cultural Oswald de Andrade, com a qual, em 2015, realizou sua primeira individual intitulada “Fragmentos”, com curadoria do Coletivo Ágata. Participou de diversas exposições coletivas em instituições culturais, como: Museu de Arte do Rio (MAR), Museu de Artes de Ribeirão Preto (MARP), Museu da Imagem e do Som (MIS-SP), Centro Universitário Maria Antonia, Departamento de Artes da Universidade de Londrina (DaP-UEL), entre outras. Em 2016 ganhou o prêmio Visualidade Nascente – Artes Visuais, da Pró-reitoria de Universidade de São Paulo, em 2019 o 1o. prêmio “Foto Única” do Festival de Fotografia de Paranapiacaba e em 2020 foi contemplado com o prêmio Arte Como Respiro – Audiovisual, pelo Itaú Cultural.